Text_2

Segup apresenta balanço da “Operação Verão 2017”

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) divulgou os números referentes à Operação Verão 2017, que mobilizou mais de três mil servidores de diversos órgãos estaduais, além de parceiros, em torno de ações de prevenção e repressão a crimes e irregularidades – no trânsito, contra o meio ambiente e contra os direitos do consumidor. Levada a cinco regiões de integração, a campanha por um verão mais seguro vigorou entre os dias 29 de julho e 31 de julho e produziu números considerados favoráveis em relação aos registrados no mesmo período do ano passado.

Diminuição da violência – Os crimes de homicídios caíram 13% no Pará, com 239 ocorrências frente às 274 do ano passado. Na capital, a redução foi de quase 30%, com 50 ocorrências contra 71 registradas em 2016.

Os crimes de latrocínio mantiveram-se no mesmo patamar, com apenas um caso a menos que os 15 registrados no veraneio do ano passado nos municípios do interior, e dois a menos que os quatro ocorridos na capital.

Já os crimes de roubo caíram 5,1% no interior nesse mesmo intervalo, com 9.033 registros em 2016 e 8.575 neste ano. Na capital, a redução foi de 8,4 %, com 3.877 ocorrências levadas ao conhecimento das autoridades policiais frente às 4.231 comunicadas no ano passado.

“Essa diminuição é fruto de uma ação planejada e sistêmica. A atuação integrada dos órgãos de segurança pública do Estado na operação ajudou muito, principalmente no âmbito das ações preventivas”, destacou o coronel Marco Antônio Rocha, chefe do Departamento Geral de Operações da Polícia Militar.

PRF- Presente nas ações de fiscalização desde o início da Operação Verão 2017, o Batalhão de Polícia Rodoviária registrou 44 casos de alcoolemia, 41 acidentes de trânsito, 25 feridos e 7 mortos em rodovias estaduais. Ao todo, 38.288 veículos foram fiscalizados e outros 10.557 passaram por revista. Foram registrados 6.135 autos de infração, 138 prisões, 107 motocicletas dadas como roubadas foram recuperadas e 238 armas de fogo foram apreendidas.

Corpo de Bombeiros – Os números levantados pelo Corpo de Bombeiros somaram 2.293 ocorrências nos balneários. As principais referiram-se a acidentes com animais marinhos (516), crianças perdidas (456), intervenção em princípios de afogamentos (186) e afogamentos fatais (4). As praias que registraram mais atendimentos foram Outeiro (5.409), seguida de Salinópolis (2.780), Marudá (1.037), Mosqueiro (1.026) e Salvaterra (875).

O CBM ampliou as bases de atuação no interior e reforçou o trabalho de orientação e advertência aos veranistas. Ainda assim, as lesões causadas por linhas enceradas de pipas foram expressivas, resultando em 34 acidentes este ano, contra seis no ano passado. A estatística dos atendimentos gerais também caminhou na tendência contrária, apontando um aumento de 467% no comparativo entre os veraneios de 2016 e de 2017. “Por mais que o nosso aparato esteja em dia, se o cidadão não tiver o senso de risco nossas ações nunca terão eficácia total”, disse o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Zanelli Nascimento.

Mas se na proteção balneária os números não foram os esperados, nas estradas estaduais o CBM pode comemorar uma redução de 88% nas ocorrências de acidentes com demanda de resgate, que somaram 27.

Detran – Já os dados do Departamento de Trânsito do Estado (Detran) apontam um aumento de quase 90% nas notificações aplicadas. Um total de 1.080 veículos foram removidos ao Parque de Retenção do órgão, 617 condutores foram autuados e outros 153 foram presos por embriaguez ao volante.

As localidades com maiores índices de autuações foram Tucuruí (20,61%), Mosqueiro (19,20%), Marudá (14,50%), Salinópolis (9,63%), Conceição do Araguaia (9,51%), Mojuí dos Campos (8,28%), Altamira (5,49%), Capanema (4,97%) e Alenquer (4,95%).

A condução de veículo com licenciamento em atraso foi a infração mais cometida neste veraneio, respondendo por 11,17% do total de medidas aplicadas pelo Detran. Mesmo assim, ainda ficou 4,68% abaixo do total registrado no ano passado. A segunda maior infração foi a condução de veículos sob efeito de bebida alcoólica, com 6,97%, das autuações, 7,97% abaixo dos índices de 2016, e a terceira foi a condução de veículo sem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou Permissão Para Dirigir (PPD), com 5,07%, (uma queda de 7,10%, em relação a 2016).

Os casos de alcoolemia receberam uma atenção especial de todos os órgãos de segurança que atuaram de forma integrada. A operação Lei Seca autuou 617 motoristas e, destes, 153 foram encaminhados à delegacia pelo crime de direção alcoolizada.

As ações desenvolvidas em Salinópolis, um dos balneários mais procurados durante as férias de julho, resultaram em 116 condutores detidos e encaminhados à autoridade policial. O combate à alcoolemia foi intensificado em razão do grande fluxo de veranistas e turistas que buscam as praias do município, e também por conta dos shows com artistas nacionais promovidos nos finais de semana do mês.

Apesar dos números, Salinas não registrou nenhum acidente automobilístico com morte no perímetro urbano ou na PA-444, rodovia que dá acesso à praia do Atalaia, graças ao aparato de fiscalização montado desde o início da Operação Verão. As demais infrações cometidas pelos motoristas estão ligadas ao licenciamento em atraso, ao não uso de capacete e outros equipamentos de segurança, além da condução de veículo por pessoas não habilitadas.

Polícia Civil – Durante os cinco finais de semana de julho, a Polícia Civil registrou 3.058 boletins de ocorrência feitos nas delegacias de 28 localidades, entre sedes municipais e distritos, cobertos pela operação. No mesmo período, a Polícia Civil foi responsável por 561 procedimentos, entre os quais prisões em flagrante, inquéritos e Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs). Também foram cumpridos 18 mandados de prisão de pessoas que estavam na condição de foragidas da Justiça.

Saldo positivo – Para a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, a Operação Verão 2017 foi considerada positiva, principalmente porque trouxe uma economia de gastos de 7,17% em relação ao esquema montado no ano passado. “Fizemos uma racionalização na parte de pessoal e também de combustível, que são as duas grandes despesas que impactam na Operação Verão. E com isso nós conseguimos fazer mais com menos. Prestamos um serviço de amplitude, de melhor qualidade, com uma redução de quase meio milhão de reais para os cofres do Estado”, revelou o secretário adjunto operacional, André Cunha.

Estiveram presentes à coletiva desta terça-feira (8) representantes da Polícia Militar, Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, Corpo de Bombeiros Militar, Polícia Rodoviária Federal e Departamento de Trânsito do Pará (Detran). Ao todo, 79 municípios e distritos foram cobertos pela Operação Verão 2017.

Por Syanne Neno
Foto: Sidney Oliveira – Agência Pará