Text_2

CPCRC se despede de Perito Criminal

Uma vida dedicada ao Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPCRC). Assim pode ser definida a prestação de serviços ao órgão pelo perito criminal Nelson Silveira. Ao todo, foram 30 anos como perito criminal do CPCRC, todos com empenho mas que chegou ao fim com o anúncio da aposentadoria do servidor, que foi marcada por uma despedida no setor de Laboratório, entre os muitos colegas que conviveram com ele nos últimos anos, no início da tarde desta quinta-feira (28).

O perito criminal Nelson Silveira, com formação em Farmácia, estava lotado como gerente do laboratório instrumental atualmente, que é subordinado à Coordenação de laboratório (Colab), mas já passou por outros setores do CPCRC. Entre eles, chefiou o setor da Balística, foi Gerente de Comparação, Coordenador do Laboratório, que em comum em todos esses setores o que não faltou foi dedicação por parte do servidor.

Entre as muitas perícias feitas, o perito Nelson destaca a participação nos casos de Eldorado dos Carajás, Irmã Dorothy Stang, entre outros. “Participei de muitas perícias complexas, muitas preocupações para que as perícias pudessem alcançar os objetivos. Nunca tive um laudo contestado. Sempre muito preocupado em servir o periciando que está precisando do laudo”, destacou o perito criminal.

Mas, o servidor viu a necessidade de se aposentar, apesar da bela trajetória dentro do CPCRC. Uma decisão pensada e mais do que merecida a quem sempre se dedicou ao órgão com orgulho e competência. “Um momento as coisas terminam e você está preparado para isso. Fui muito feliz no CPC, mas minha trajetória terminou e tenho certeza que os colegas que vão ficar darão continuidade ao trabalho da mesma maneira”, declarou Nelson Silveira.

Apesar da falta que irá fazer aos demais colegas de trabalho no Centro de Perícias, sobretudo ao setor do Laboratório, eles reconhecem esse merecimento conquistado pelo servidor. A despedida foi marcada por um almoço e a entrega de uma placa confeccionada pelos amigos do laboratório. “Sentiremos falta da personalidade forte e da forma imediatista de resolver tudo, sempre “brigando” pelo bem do laboratório e da instituição. Um profissional que se tornou exemplo de competência e para nós do laboratório. Foi um orgulho trabalhar com o professor Nelson”, concluiu Eric Nascimento, coordenador do Laboratório.