Text_2

Trabalho da perícia é reconhecido pelo MPPA

A perícia criminal em favor da justiça através da ciência é um dos pilares que sustenta a classe pericial. E foi nesse contexto que os peritos criminais do setor de Gerência de Perícias em Informática (GPI), do Instituto de Criminalística (IC), do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPCRC) tiveram o trabalho reconhecido pelo coordenador do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA).

A equipe do referido setor da GPI, que é gerenciada atualmente por Mayken Oliveira e formada pelos peritos Glenda Furtado, Luiz Fernando Vasconcelos, Marcelo Maués, Natanael Neto, Samira Brício, Verônica Gomes e pelos auxiliares de perícia Gleidson Pantoja e Paul Saunders, foi citada pelo promotor de justiça José Augusto Nogueira Sarmento pelas perícias solicitadas pelo Gaeco, por produzirem laudos determinantes nos casos em que foram acionados.

Integrantes da equipe do setor de Gerência de Informática reconhecido pelo Gaeco.

Entre os principais trabalhos prestados pela equipe de peritos de informática solicitadas pelo Gaeco constam as perícias em dispositivos moveis, constatação de conteudo em midias de armazenamento, coleta e analise de artefatos na rede mundial de computadores entre outras ocorrências, que vem crescendo de forma exponencial.

Peritos de informática em uma das ações solicitadas pela coordenação do Gaeco.

O reconhecimento do promotor de justiça José Augusto Nogueira Sarmento destaca ainda que mesmo que diante das dificuldades apresentadas, as perícias requisitadas ao setor GPI do Centro foram atendidas com competência, diante da urgência do esclarecimento dos casos em que foram necessário o trabalho pericial.

Esse não é primeiro reconhecimento do MPPA ao trabalho da Gerência de Perícia em Informática do CPCRC. Em fevereiro deste ano, o Grupo de Atuação de Especial de Inteligência e Segurança Institucional (GSI) agradeceu o trabalho pericial do setor os crimes cibernéticos soliticitado pelo promotor de justiça Milton Luís Lobo de Menezes, coordenador do GSI.