Text_2

Núcleo de Fonética Forense do CPCRC é fundamental para a elucidação de crimes no Estado

Equipes analisam áudios, vídeos e equipamentos eletrônicos, auxiliando o trabalho de investigação criminal

A tecnologia, por meio da gravação de imagens, áudios e vídeos, virou uma grande aliada na elucidação de crimes de qualquer natureza, já que servem de provas criminais, seja para investigações policiais e até perícias criminais. O Centro de Perícias Criminais Renato Chaves, através do Núcleo Fonética Forense, é o responsável pelas perícias feitas em diversas mídias, como CD, DVD, fita, celulares, notebooks e tabletes, entre outros eletrônicos.

O trabalho das equipes envolve a utilização de modernos equipamentos, entre eles, computadores, estações de audiovisual, placas digitalizadoras e softwares especializados, incluindo programas que identificam áudios que, por ventura, tenham passado por edição. 

Recentemente, um dos importantes casos elucidados pelo CPC foi o envolvimento do ex policial militar Heleno Arnaud Carmo de Lima, o cabo Leno, que foi preso no início deste ano por integrar uma organização criminosa no bairro da Pedreira. O Núcleo de Fonética Forense analisou áudios, a fim de investigar se o material que circulava nas redes sociais era mesmo de autoria do suspeito. 

“No caso do cabo Leno, foram registros de áudios através de conversas do Whatsapp que chegaram para análise. Foi feito o exame chamado de comparação de locutor, onde comparamos a voz registrada no áudio com a própria voz do suspeito, que chamamos de comparação de um para um”, explica a perita criminal Vanessa Maneschy. 

Entre os critérios analisados estão as características vocais, exame acústico e até a fonética do indivíduo analisado. Para o Sistema de Segurança Pública do Pará, o trabalho de perícia é feito com excelência e é fundamental para a solução de investigações de crimes.

“No mundo atual, cada vez mais se utilizam aplicativos de mensagens, e que também encaminham voz, vídeo, e tudo isso é muito importante. Grande parte das investigações de crimes já admite esse tipo de prova. Cada vez mais, reconhecemos esse tipo de perícia” – Ualame Machado, secretário de Segurança Pública e Defesa Social.

Laudos Emitidos

De janeiro a junho deste ano, o setor da Fonética Forense recebeu 538 solicitações de perícia, entre os mais variados crimes. Vale lembrar que, por envolver complexidade de dados e meta dados, as perícias podem levar tempo e produzem extensos laudos, alguns com milhares de páginas. (Com informações do Núcleo de Fonética Forense do CPCRC).

Por Larissa Noguchi (SECOM)