Text_2

Governo entrega moderno equipamento de análises químicas, estratégico à perícia científica

Aparelhos de Espectroscopia em Infravermelho com Transformada em Fourier (FTIR, sigla em inglês) serão utilizados em análises de materiais explosivos, entre outros

O Governo do Pará entregou, nesta terça-feira (09), quatro novos aparelhos de Espectroscopia em Infravermelho com Transformada em Fourier (FTIR, sigla em inglês), ao Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPCRC). O moderno  equipamento será utilizado na análise para identificação de substâncias químicas como entorpecentes, material explosivo e medicamentos. A entrega foi realizada pelo governador Helder Barbalho em ato realizado no Palácio dos Despachos, em Belém.

Os equipamentos foram adquiridos com recursos de emenda parlamentar do senador Jader Barbalho, na ordem de R$ 1 milhão, destinado ao CPCRC. Os novos aparelhos irão descentralizar o serviço realizado na sede do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, em Belém, e irão permitir equipar as unidades de Altamira, Castanhal, Marabá e Santarém, aos laboratórios forenses de cada unidade.

“A utilização de modernas ferramentas de gestão e tecnologia de ponta buscam reforçar as estratégias de segurança pública em nosso Estado. É o fortalecimento da polícia científica. Todos sabemos o quanto importante é o apoio científico da perícia no processo de consolidação de provas  para elucidação e subsidio de investigações do sistema de segurança pública. São importantes equipamentos para reforçar as ações cientificas no combate aos entorpecentes em Belém e interior”, destacou o governador Helder Barbalho.

O FTIR realiza a análise química por meio da obtenção de espectros, identificando a presença da substância, ou mistura de substância na amostra analisada. O resultado analisado obtido é comparado com a base de dados contidas no sistema do FTIR, que vai auxiliar o perito criminal a concluir um laudo sem equívocos sobre a detecção ou afirmação da substância química.

“Esses aparelhos são muito bons e  modernos que só precisam de pequenas quantidades para permitir as técnicas analíticas realizarem análises precisas de todas as substâncias apreendidas pela polícia judiciária.  Vamos distribuir os equipamentos para todas as nossas unidades e, com isso, desafogar a unidade de Belém, melhorar os exames e padronizar todo atendimento do CPC  Renato Chaves”, pondera o perito criminal Celso Mascarenhas, diretor-geral do CPCRC.